quarta-feira, 19 de março de 2008

PEDIDO DE UMA FLOR (A Marília)

A flor parece a íris da moça.Da moça que cheira.Da moça jardinada.Da moça, ela mesma abertacomo dia de tardes nuas.Sentir falta de uma moça dessasé como sentir falta de meus próprios poemas absurdos.E o sentimento não me falta,não se nega.É amor, amor para uma hora dessasem que a gente mistura todos os sentidos...E pensa que cheira, mas beija.E pensa que toca, mas rega.E pensa que dorme, mas ressuscita!É amor, saindo de todas as janelas,de todas as pétalas em que moram a tua flor.Dessa pele, resgate cômodo do meu olho,é que se sustenta a alma,e a alma se nos espera desde o ontem,fora dos muros de silêncio de hoje.

6 comentários:

Luis Eustáquio Soares disse...

é assim o ritmo da ordem inversa,reversa,porque diversa, um cheiro, que é um beijo, que é um olhar, que é um toque, que é um pedido de uma flor na flor do mar-rilia...
saudações,
de la mancha

Luis Eustáquio Soares disse...

fora, fora, fora, desforra das flores, amores...
saudações,
l

João Ludugero disse...

Passe lá no meu blog.
Se gostar, me siga.
Felicidades!
Abraços,
João.
www.ludugero.blogspot.com

Raíssa Soares disse...

Muito bela a escrita. Parabéns! Devaneios aguarda sua visita. Abraço!

XOXÓ NO SEU FIOFÓ disse...

olá moacir, descobri o teu blog, grande abraço, meu caro.

X.

Produção Sem Roteiro disse...

Belo poema! Ja to seguindo seu blog!

Abraços !